fbpx

Blog

O que é: defesa em execução fiscal

9 de setembro, 2020

A execução fiscal é o meio judicial usado pelos órgãos da Fazenda para efetuar a cobrança de créditos tributários e não tributários inscritos em dívida ativa da União, dos estados e dos municípios.

Apesar de ser desagradável, saber que há uma execução fiscal contra você ou sua empresa não é o fim de uma linha. É comum que se cometa erros na hora de declarar o Imposto de Renda ou mesmo no dia a dia da tributação da empresa e, por isso, às vezes algo fica para trás.

Nós já falamos aqui no blog sobre a autuação fiscal e das maneiras de se
recorrer: administrativa e judicialmente. Se a conclusão administrativa for, de fato, de que há um tributo devido, abre-se um crédito tributário que, se não for pago, é enviado à Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, que faz a cobrança na Justiça. É neste momento que surge a Execução Fiscal.

Como se defender

Se o juiz aceitar o pedido da Procuradoria, o contribuinte é comunicado da
execução e passa a ser executado. Um advogado especialista em direito
tributário vai verificar se existe alguma possibilidade de defesa prévia. A
exceção da pré-executividade, como se chama esta contestação, é um dos
meios de defesa. Se não for o caso, há dois caminhos. O primeiro é pagar a dívida. O pagamento pode ser feito à vista ou, dependendo da saúde financeira do contribuinte e de previsão legal, ser parcelado. Quando paga à vista, tanto a dívida quanto a execução fiscal são extintas. Se parcelada, a cobrança e a execução são suspensas e só se extinguem quando o pagamento for devidamente quitado.

Vale lembrar que, se o contribuinte não honrar o pagamento das parcelas, não apenas se dá a continuidade da execução, como suas possibilidades de defesa praticamente se anula, de acordo com um entendimento atual da Receita e da Procuradoria – e que costuma ser acatado pela Justiça. No entanto, no caso de decadência ou até prescrição, alguns especialistas defendem a continuidade da defesa.

Embargos à execução

Se o contribuinte não quiser honrar nenhum pagamento, nem à vista, nem
parcelado, é possível, também, fazer a penhora de algum bem. Aí, é
apresentada uma nova forma de defesa, o embargo à execução.

Nesses casos, é necessário apresentar fundamentos fáticos e/ou jurídicos de
defesa, que sustentam a incidência da jurisdição, para que não se corra o risco de que a ação seja de má fé.

Quando se propõe a penhora de bens, estamos falando de dinheiro, carro,
imóvel etc. Qualquer tipo de recebimento, como salários, vencimentos,
aposentadoria e outras pensões ou benefícios, depósitos em caderneta de
poupança ou honorários não serão aceitos. No caso dos imóveis, o executado não pode penhorar o imóvel em que reside, a não ser que seja de alto valor ou ultrapasse necessidades comuns ao padrão de vida médio. Além da restrição a bens de família, vestuários, pertences de uso pessoal etc.

O direito à defesa é garantido

É possível que não exista nenhum bem que possa ser penhorado. Assim, há
alguns entendimentos comuns. O juiz pode suspender o curso da execução por um ano. Passado este tempo, caso a situação permaneça igual, o juiz pede arquivamento da execução fiscal e o processo fica armazenado por até cinco anos. Caso, dentro deste período, sejam encontrados bens a penhorar, o processo é desarquivado e a execução fiscal prossegue.

Mas se, passados os cinco anos, o contribuinte ainda não tiver o que penhorar, o processo prescreve e, tanto o débito tributário, quanto a execução fiscal são extintos.

É importante salientar que, independente do meio ao qual o contribuinte
precisar recorrer, a defesa de uma execução fiscal é plenamente garantida e
faz parte do direito ao contraditório e à ampla defesa. A exceção da pré-
executividade e os embargos à execução não apenas são defendidos por
decisões de Tribunais Superiores, como geram cada vez mais debate no
cenário do direito tributário.

Relacionados

Receba nossa newsletter mensal diretamente na sua caixa de entrada!
Obrigado! Sua mensagem foi recebida!
Oops! Ocorreu um erro ao enviar o formulário.